Íris


(Espécie: Iris - Família: Iridaceae)

 

A íris e as suas origens

Oriunda dos climas temperados do hemisfério norte, a íris é uma espécie muito antiga, apesar de só no século XIX surgirem os primeiros registos de cultivo e utilização nos jardins europeus. Esta planta adapta-se a uma grande variedade de habitats, desde pântanos a montanhas, aguentando até as condições do deserto.      

Existem mais de 200 espécies de íris com várias classificações, mas a mais simples classificação botânica divide-as apenas em subgénero com caule subterrâneo (rizoma) e subgénero bolboso. Estes subgéneros são relativos à forma como a planta se desenvolve, que pode ser a partir de um rizoma ou de um bolbo. 

 

Íris com rizomas:  Tem caule espesso que cresce na horizontal, enterrado ou parcialmente enterrado.  Apresenta folhas longas e pontiagudas (semelhantes a espadas) que crescem em grupos densos.

 

Íris com bolbo:

Nos climas mais secos, a íris tende a formar bolbos. Os bolbos passam por um período de dormência depois da floração, para voltar a concentrar energias. As íris produzidas a partir de bolbos são normalmente mais pequenas do que aquelas produzidas a partir de rizomas.   

 

Símbolo de beleza majestosa, a planta produz flores distintas e vistosas e, muitas vezes, perfumadas. O nome "íris" deriva da palavra grega para "arco-íris", referindo-se ao vasto leque de cores que esta flor pode ostentar.

Sazonalidade: A íris em flor

Dependendo da variedade, o período de floração da íris abarca o ano inteiro, mas a maioria floresce na primavera ou no verão. As flores têm um formato característico que combina pétalas suspensas, em forma de asa ou eretas. A maioria das espécies é perfumada.

A íris existe numa grande variedade de cores e tonalidades fantásticas, podendo ir do azul, amarelo, rosa, púrpura, branco, laranja, até mesmo ao preto.  

Cada espécie difere em altura, podendo ir dos 15 cm a pouco mais de 1 metro. Uma das espécies mais comuns, a íris-germânica, pode crescer de 80 cm a 1 metro.

Como plantar: Íris

Para obter os melhores resultados, a íris deve ser cultivada numa zona do jardim com exposição total ou parcial à luz do sol. 

 

Tanto as espécies com rizoma, como as bolbosas gostam de solo fértil, rico em húmus, ligeiramente ácido e com uma textura limosa e arenosa para promover uma boa drenagem. Prepare o solo, enriquecendo-o previamente com nutrientes, para garantir uma boa floração. O composto, a turfa de esfagno ou o estrume bem decomposto devem ser bem misturados na terra vegetal. 

 

A plantação por rizoma deve ocorrer no início do outono, dando-lhes a possibilidade de se ambientarem antes de chegar o frio do inverno. Os bolbos podem ser plantados mais tarde. 

 

Plante os rizomas com um espaço de 12 cm entre cada um. Basta que metade do rizoma esteja coberta. Devem ser plantados logo abaixo da superfície, para o processo de fotossíntese possa decorrer sem problemas. Os bolbos devem ser enterrados a uma profundidade de 10 cm. 

Propagação da íris

Do tipo de íris depende o método de propagação. Os rizomas são fáceis de propagar. No final do período de floração, remova simplesmente o rizoma do solo e divida-o em partes iguais para produzir plantas novas e viáveis.

 

No que diz respeito à íris bolbosa, a propagação dá-se também por divisão. Os bolbilhos são cortados do bolbo principal durante o período de dormência e novamente plantados para produzir uma secção de novas plantas prontas para florir na estação seguinte.

Sabia que... Curiosidades sobre as íris

O lírio que figura no brasão da cidade de Florença, em Itália, é na verdade uma Íris Florentina. O primeiro brasão de Florença tinha uma íris branca representada sobre um fundo vermelho. A flor foi substituída por uma íris vermelha sobre um fundo branco, em 1251, após a queda dos Gibelinos às mãos dos Guelfos, as duas fações que lutaram durante décadas pelo controlo da cidade.