Crisântemo


(Espécie: Chrysanthemum - Família: Compositae/Asteraceae)

 

O crisântemo e as suas origens

A espécie Chrysanthemum engloba plantas que já eram cultivadas na China no século XV a.C., às quais se atribuíam propriedades importantes.

 

Quando a flor chegou à Europa no século XVII, o botânico e taxinomista sueco, Carlos Lineu, deu-lhe o nome crisântemo a partir das palavras gregas "chrysous", que significa "dourado" (a cor da flor original), e "anthemon", que significa "flor".

 

As pequenas flores amarelas parecidas com margaridas não podiam ser mais diferentes do vasto leque de vistosos cultivares de crisântemos que hoje existem. De facto, com as suas muitas cores, contribuem muito para alegrar um jardim de outono. 

 

Sazonalidade: O crisântemo em flor

O crisântemo foi sujeito a processos de hibridação na Europa, no Japão e nos EUA, sendo hoje flores muito apreciadas para bordaduras e canteiros de jardim, mas também como plantas de interior.

 

O formato das flores varia consideravelmente, desde botões simples e pompons perfeitos a flores parecidas com margaridas ou com grandes e caóticas esfregonas ou chapéus chiques dos anos 60. As cores variam do cor-de-rosa, amarelo e branco às tonalidades ricas do outono (ferrugem, bronze e vermelho rubi).

 

Os dois cultivares mais utilizados no exterior são o crisântemo "de flor" (na sua maioria plantas cultivadas pelas suas grandes flores e não pela planta no seu todo e que participam muitas vezes em exposições) e o crisântemo "de jardim", mais resistente e que produz várias flores pequenas. Ao contrário do exigente crisântemo "de flor", este precisa de poucas ou nenhumas estacas de apoio e é mais tolerante ao vento e à chuva.

 

As variedades de "charme" dão excelentes plantas de vaso no outono: a profusão de flores que desenvolvem chega a fazê-las parecer-se com almofadas cheias de cores vibrantes. 

 

Como plantar: Crisântemo

Plante os talos com raiz no início de verão, tendo o cuidado de não os enterrar demasiado, ou compre pequenos crisântemos na primavera ou no outono. Regue durante os períodos de seca e adube para induzir o crescimento dos botões.

 

Os crisântemos "de flor", cultivados pelas suas flores, precisam do apoio de estacas durante o plantio, devendo as raízes a descoberto ser guardadas durante o inverno. Os crisântemos "de jardim", mais resistentes, podem ser cortados depois da floração e cobertos com uma espessa camada de mulch para protegê-los no inverno.

 

As extremidades de crescimento destas plantas devem ser beliscadas quando as plantas atingirem 20 cm de altura, para induzir o crescimento dos rebentos laterais e produzir um aspeto mais imponente.

Propagação do crisântemo

Os crisântemos perenes e resistentes podem ser divididos após a floração, seja no outono, seja no início da primavera. Os crisântemos "de flor" podem ser propagados a partir da estaquia de talos verdes basais na primavera, enraizados entre 10 e 15oC e cultivados em vasos de 7,5 cm.

 

Sabia que... Curiosidades sobre o crisântemo

O crisântemo tem um significado importante nas culturas chinesa e japonesa. Todos os anos são organizados festivais de celebração desta flor. A cidade chinesa de Chu-Hsien é conhecida como "Cidade do Crisântemo" e esta flor é um dos quatro senhores da China, juntamente com a orquídea, o bambu e a ameixoeira, representados nas pinturas chinesas de aves e flores.  O crisântemo também é muito citado nos poemas chineses.

 

As flores são ainda usadas para a confeção de chás energizantes, e as folhas são cozidas a vapor ou em água e consumidas como vegetais na cozinha chinesa.

 

No Japão, o trono do Crisântemo é o nome comum dado ao trono imperial. A flor é o escudo de armas e o selo oficial do imperador. No Japão, celebra-se ainda o dia nacional do crisântemo, deliciosamente chamado "Festival da Felicidade".