Invasão de insetos no Outono

 

As manhãs frias e as noites aconchegadas à lareira são sinais agradáveis da chegada do outono. Mas esta estação também assinala o começo da invasão da casa pelos insetos – não tão agradáveis.

Nas zonas de clima temperado do país, à medida que os dias encurtam e as temperaturas descem, os insetos começam a procurar refúgios para passar o inverno. Nas zonas mais quentes, à medida que a estação seca dá lugar às chuvas, os insetos iniciam a sua busca por alojamentos secos. Tal como as pessoas querem passar a estação que se avizinha confortáveis, quentes e secas entre quatro paredes, também os insetos consideram as suas casas como um possível refúgio de inverno.

Ainda que os insetos se enfileiram, saltem e rastejem para dentro da sua casa, lembre-se de que esta invasão não é mal-intencionada. Por outras palavras, os insetos são oportunistas. Procuram apenas refugiar-se do frio, da chuva e da neve do inverno. Uma porta aberta, uma fenda entre painéis laterais, uma tela solta ou qualquer abertura na sua casa é um convite que transforma a sua casa num local de hibernação.

Se conseguirem entrar na sua casa, os insetos passam o inverno num estado de semidormência, denominado diapausa. Permanecem neste estado de letargia abrigados nos orifícios da parede, em fendas no chão ou nos sótãos.

O que está por detrás deste êxodo?

São vários os acontecimentos sazonais que espoletam a movimentação anual dos insetos. Os insetos apercebem-se principalmente de dois acontecimentos: a duração do dia e a diferença de temperatura. Os dias mais pequenos e o ar mais fresco são sinais de que é altura de procurarem refúgio para o inverno. Até mesmo os insetos que vivem na terra, tais como as minhocas do seu relvado, recebem uma "mensagem" para se enterrarem a uma maior profundidade. Para estas, o sinal é a temperatura do solo – à medida que o solo arrefece, o inseto escava mais alguns centímetros.

Em zonas de clima mais quente, a chegada das chuvas parece ser o tiro de partida que dá início à invasão anual dos espaços fechados pelos insetos. No Vale Central da Califórnia, as primeiras chuvas marcam o início da invasão do escaravelho-preto. No Texas, as migrações anuais de acasalamento dos grilos estão ligadas à estação das chuvas, que amaciam o solo para a postura dos ovos.

Porquê a minha casa?

Vários motivos (alguns deles que só os insetos conhecem) levam a que estas criaturas escolham a sua casa como refúgio.

  • Não raras vezes os insetos agrupam-se, aos milhares, nas fachadas orientadas a oeste ou a sul. Estas paredes retêm o calor do sol, aquecendo os corpos frios dos insetos.
  • Certas cores atraem insetos específicos. O percevejo da família Pentatomidae e as moscas Pollenia rudis, por exemplo, tendem a juntar-se sobre superfícies claras.
  • Os escaravelhos-pretos tendem a infestar casas que têm canteiros junto às paredes.
  • Os insetos que se alimentam do ácer-negundo (árvore originária da América do Norte) gostam de casas junto às quais existam espécies fêmeas destas árvores e do ácer-prateado, que são as suas fontes de alimento durante o inverno.
  • Os milípedes migram dos canteiros húmidos, densamente cobertos com mulch, para as caves húmidas.
  • Nas regiões de clima mais quente, as formigas e as baratas tendem a procurar refúgio no interior à medida que o outono se aproxima.
  • Os investigadores suspeitam que, quando os insetos hibernam nas nossas casas, deixam para trás um químico que atrai as gerações seguintes para o mesmo lugar.

Outro motivo que poderá levar os insetos a escolher a sua casa para se refugiarem tem a ver com o simples facto de não serem capazes de diferenciar a casca de uma árvore da madeira (ou mesmo do vinil) que reveste as paredes da sua casa. Ambas têm sobreposições que fornecem fendas ideais para passar o inverno. No cérebro de um inseto, ambas fornecem o mesmo refúgio.