Para poupar dinheiro, pense em plantar as suas próprias sementes. Poderá fazê-lo ainda pelo desejo de cultivar uma variedade de planta que não se encontra normalmente à venda para transplante. Seja qual for a razão, é sempre possível cultivar plantas a partir da semente, independentemente da sua experiência como jardineiro. Com alguns conhecimentos básicos, descobrirá que plantar as suas próprias plântulas pode ser um passatempo gratificante.

1. Selecione um recipiente.
Os recipientes para o plantio das sementes devem estar limpos, medir pelo menos 5 a 8 cm e ter um orifício de drenagem. Poderá escolher um vaso de plástico, tabuleiros de germinação, vasos de turfa, embalagens de iogurte, jornais e até cascas de ovos. Pode também comprar um kit de plantio de sementes, mas não invista demasiado até ter a certeza de que vai semear todos os anos. Se semear em recipientes pequenos, terá de transplantar as plântulas para vasos maiores quando estas produzirem o primeiro conjunto de folhas verdadeiras. Lembre-se de que os canteiros e vasos ocupam lugar, por isso certifique-se de que dispõe de espaço suficiente para todas as plântulas que vai semear.

2. Comece com a terra.
Cultive as sementes numa mistura estéril para plantas de semente, em pacote. Não use a terra do jardim. Humedeça a terra com água morna antes de a deitar nos recipientes com as sementes.

3. Verifique novamente a profundidade de plantio.
Enterre as sementes à profundidade indicada na embalagem. Regra geral, devem cobrir-se as sementes com uma quantidade de terra três vezes superior à parte mais larga das mesmas, mas leia sempre as instruções de plantio que figuram na embalagem. Algumas sementes, incluindo certas alfaces e bocas-de-lobo, precisam de luz para germinar, devendo por isso plantar-se à superfície da terra. Depois do plantio das sementes, use um pulverizador para voltar a humedecer a terra.

4. Regue cuidadosamente.
Use sempre água à temperatura ambiente para regar as plântulas. Guarde a água com cloro num recipiente de um dia para o outro, para que o cloro se dissipe. Não use a água descalcificada. É importante manter a terra constantemente húmida, mas evite a acumulação de água, pois é um chamariz para as doenças. Evite salpicar as folhas com água. Uma forma fácil de evitá-lo, assim como a rega excessiva, é submergir os recipientes em água e deixar que a terra absorva a humidade que necessita. Alguns kits para plantas de semeio têm uma esteira inclinada que conduz a água de um reservatório para as raízes secas. Este é provavelmente o melhor método para regar as plântulas. Independentemente do método que escolher, não se esqueça de as regar regularmente. Caso contrário, as plântulas morrerão.

5. Mantenha um grau de humidade regular.
Cubra o recipiente para ajudar a manter a humidade no interior. Os sistemas de plantio de sementes são normalmente comercializados com uma cobertura. Poderá usar também um saco de plástico ou um envoltório plástico. Retire as coberturas assim que as surgirem os primeiros rebentos.

6. Mantenha a temperatura da terra.
As sementes precisam de calor para germinar - terra quente, não ar quente. A maioria das sementes germina a 26ºC. Um tapete térmico submersível junto à raiz manterá a terra a uma temperatura constante. Em alternativa, poderá colocar os tabuleiros de germinação sobre o frigorífico ou outro equipamento que gere calor até que surjam os primeiros rebentos. A seguir à germinação, a temperatura do ar deverá ser inferior a 21ºC. As plântulas podem suportar uma temperatura do ar até 10ºC, desde que a temperatura da terra se mantenha entre 18 a 21ºC.

7. Alimente as plântulas.
Adube assim que as plântulas desenvolverem o seu segundo conjunto de folhas verdadeiras, aplicando uma solução de concentração média uma vez por semana. À quarta semana, aplique um adubo de alta concentração de 15 em 15 dias até ao transplante.

8. Forneça iluminação suficiente.
Uma iluminação inadequada gera plântulas altas e finas. Nas regiões mais a sul, poderá cultivar plântulas baixas e robustas junto a uma janela virada a sul. Nos restantes dois terços do país, mesmo uma janela virada a sul poderá não fornecer luz suficiente para produzir plântulas baixas. Em termos ideais, as plântulas necessitam de 14 a 16 horas de luz solar direta para um crescimento saudável. Um sinal de que a luz é insuficiente é quando as plântulas começam a inclinar-se em direção à janela. Ainda que seja possível corrigir essa postura limitando-se a virar o vaso, o problema é que os caules não podem ser encurtados depois de se terem alongado. Se usar iluminação artificial, experimente um suporte de iluminação de plantas ou opte por um tubo de luz fluorescente de espetro total ou por um de cada, quente e frio. Suspenda as luzes 5 a 8 cm acima das plântulas.

9. Faça circular o ar.
A circulação do ar previne doenças e ajuda ao desenvolvimento de caules fortes. Coloque um ventilador ao pé das plântulas para fazer circular o ar. Não direcione o ventilador para as plântulas.

10. Fortaleça as plântulas antes de transplantá-las.
Antes de transplantar as plântulas para o exterior, estas precisam de se aclimatar ao seu novo ambiente mais rigoroso. A este processo dá-se o nome de "fortalecimento".